Ansiedade na Infância/Adolescência

Ansiedade na Infância/Adolescência

A ansiedade é definida cientificamente como uma resposta do organismo de “luta e fuga”, pois as reacções fisiológicas que a constituem activam o nosso corpo, preparando-o para lutar ou fugir. Deste modo, a ansiedade tem uma função adaptativa porque nos permite manter em alerta em casos de perigos reais (fugir em caso roubo; estar alerta, antecipar situações que colocam em risco a vida da pessoa). No entanto, quando deixa de ser adaptativa, poderemos ter que falar em sintomas ou perturbações de ansiedade. Na ansiedade patológica há uma avaliação exagerada do perigo em situações relativamente inofensivas, causando muitas vezes o evitamento das situações ou, quando enfrentadas, manifestam intenso mau estar.

As perturbações de ansiedade são comuns na infância e na adolescência. Podem ser de vários tipos: ansiedade de separação, ansiedade escolar, fobia social, ansiedade generalizada.

Frequentemente as crianças demasiado ansiosas poderão apresentar alguns sintomas físicos, tais como:

  • vómitos
  • diarreia
  • tonturas
  • dores de cabeça
  • medos excessivos
  • agressividade

Alguns acontecimentos poderão desencadear este tipo de sintomas:

  • A escola e o rendimento escolar
  • O nascimento de um/a irmão/irmã
  • Falecimento ou separação de uma pessoa familiar
  • Relacionamento com os/as colegas

A intervenção psicológica é benéfica e eficaz no tratamento da ansiedade utilizando estratégias metafóricas, cognitivo-comportamentais, de relaxamento, entre outras.

Especialidades: Psicologia Infanto-Juvenil | Neuropsicologia